Em meio à difícil decisão da escolha do curso para qual se pretende prestar vestibular, deparamo-nos com diversas opções de instituições de ensino e suas mais variadas siglas. Mas afinal, o que difere as universidades das faculdades e dos centros universitários?

Essa é uma dúvida comum entre os ingressantes no ensino superior, uma vez que o estudante pode acabar chegando à etapa do vestibular sem mesmo saber se há ou não diferença. Uma prova disso é que o termo “faculdade” é muito mais utilizado pelas pessoas ao realizar buscas na internet, do que “universidade”. Tal distinção pode parecer irrelevante a princípio, contudo, a escolha da instituição é capaz de definir ou limitar seus objetivos profissionais e acadêmicos.

No Brasil, as instituições de educação superior são classificadas, de acordo com o MEC, em três tipos: universidades, faculdade e centros universitários.  Entenda as diferenças entre elas para decidir qual é a opção adequada para alcançar seus objetivos profissionais:

Universidades

Para facilitar, entenda as universidades como as instituições de ensino mais completas e abrangentes, isso porque cumprem diversas exigências do MEC para serem classificadas como tais. Tanto que apenas 8% das instituições de educação superior brasileiras são universidades, no entanto, concentram mais de 53% dos alunos de graduação.

Toda universidade possui ao menos um terço do corpo docente com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado, sendo que a mesma proporção deve trabalhar em tempo integral.  Além disso, uma universidade é fundamentada em três pilares: ensino, pesquisa e extensão. Na prática, isso permite que o aluno consiga desenvolver seus conhecimentos muito além do curso, com possibilidades de participar de projetos de iniciação científica e aprofundar em temas específicos, o que contará como um diferencial valioso no currículo acadêmico. Se você pretende mergulhar a fundo nesse universo, a universidade é a escolha ideal.

Essas instituições também oferecem pelo menos quatro programas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) avaliadas pelo MEC, sendo que ao menos um desses programas deve ser doutorado. E ainda, somente as universidades, tanto públicas como privadas, possuem autonomia para criar cursos sem autorização do MEC. Enquanto as Universidades Federais são criadas pelo Poder Executivo, a elevação de uma Faculdade Privada à Universidade Privada decorre do cumprimento das exigências mencionadas.

A Uniube é reconhecida como universidade, já que cumpre todos os requisitos especificados anteriormente. Ao todo, a instituição oferece mais de 70 cursos entre graduação e pós-graduação, além de programas de pesquisa e extensão.

Faculdades

Toda instituição de ensino superior é originalmente uma faculdade. Assim, as faculdades são focadas em áreas do conhecimento específicas, como saúde e ciências humanas aplicadas. Porém, não oferecem iniciação científica ou cursos de extensão e podem ofertar pós-graduação. Obrigatoriamente, o corpo docente de uma faculdade deve contar, ao menos, com um terço de professores com pós-graduação lato sensu.

As faculdades geralmente possuem menos opções de cursos em relação às universidades – mas isso não quer dizer que a qualidade do ensino seja inferior. E toda universidade é composta por várias faculdades, sendo que as atividades de pesquisa e extensão são controladas pelas universidades. Então, se participar de programas de pesquisas e extensão não está entre seus planos, talvez a faculdade seja uma boa opção.

Centros universitários

Considerando as exigências do MEC, os centros universitários são submetidos a mais critérios do que as faculdades e englobam uma ou mais áreas do conhecimento, mas ainda não são considerados como universidades. Esses centros contam, no mínimo, com um terço de professores com mestrado ou doutorado e, pelo menos, um quinto trabalha integralmente.

Assim como as universidades, essas instituições podem criar ou extinguir cursos e programas de ensino superior sem autorização do MEC. Em suma, os centros universitários se destacam pela excelência do ensino oferecido, atestada pela qualificação do seu corpo docente e condições de trabalho acadêmico.

A escolha do estabelecimento de ensino superior pode ser tão importante quanto a decisão do curso, especialmente quando o aluno almeja realizar atividades acadêmicas de pesquisa e extensão. Dedique tempo em pesquisar sobre a qualidade do ensino e o conceito da instituição, e esteja certo de que ela viabilizará seus planos e desenvolvimento profissional.

E continue focado na jornada de estudos! Boa sorte!