Cálculos e mais cálculos, aulas práticas, visitas a obras. Essas são as primeiras barreiras quando se trata fazer uma graduação de Engenharia a distância. Apesar dos desafios aparentes, a resposta é sim – dá para cursar Engenharia a distância!

No geral, o aluno interessado em Engenharia, quer seja na modalidade presencial ou EAD, precisa essencialmente gostar de exatas, ter facilidade em solucionar questões de raciocínio lógico e matemático, ou seja, o curso de Engenharia tem grande complexidade curricular, e a distância é ainda mais desafiador, algo que pode ser driblado com determinação e muito estudo.

Prof. Marco Antônio de Oliveira, Gestor das Engenharias EAD da Uniube

“Na EAD, o discente é o protagonista de seu próprio aprendizado, é necessário ter disciplina, além de autonomia para conduzir os estudos”, reitera o Prof. Marco Antônio de Oliveira, gestor das Engenharias EAD da Uniube.

Devido à grande complexidade curricular, mesmo nas disciplinas básicas, fundamentadas nas matemáticas e cálculos, e investimentos em laboratórios de práticas, Oliveira analisa que poucas instituições no Brasil oferecem o curso a distância. Tanto que o curso de Engenharia Civil EAD da Uniube foi o primeiro na modalidade reconhecido pelo MEC e credenciado pelo CREA – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia.

Para quebrar barreiras e edificar novas possibilidades para as pessoas que desejam cursar Engenharia Civil, mas não contam com a disponibilidade de tempo exigida na modalidade presencial, ou não têm acesso ao curso em suas cidades, respondemos abaixo as principais dúvidas sobre a modalidade a distância:

Como fica a questão prática?

Várias disciplinas das Engenharias são práticas laboratoriais, executadas em aulas presenciais, essenciais para contextualizar toda a teoria. Na Engenharia Civil a distância da Universidade de Uberaba, essas disciplinas mais específicas contemplam até 16 horas de práticas. É o caso de instalações hidráulicas, onde o aluno acompanha aulas presenciais no laboratório do polo para aprender, na prática, como deixar uma construção civil em pleno funcionamento do ponto de vista de instalações hidráulicas.

Antônio de Ávila, estudante do quinto período da Engenharia Civil EAD Uniube

“A priori tive bastante dúvida sobre fazer um curso a distância, mas como estamos na era da informação, o conhecimento hoje é descentralizado e basta ao aluno ter foco e maturidade”, compartilha Antônio de Ávila, estudante de 37 anos do quinto período da Engenharia Civil EAD, que compara essa dedicação à disciplina de um triatleta. A ideia de fazer o curso surgiu ao trabalhar em uma construtora no setor administrativo, e a modalidade a distância foi a saída para adequar à rotina de 8 horas de trabalho.

As aulas práticas são fundamentais e não é à toa que o curso exige, para termos um contato mínimo com a prática. Nada substitui a experiência, mesmo no curso a distância”, afirma o aluno que se desloca de Araxá ao polo de Uberaba para as aulas práticas.

Quanto é necessário estudar?

As disciplinas básicas de Engenharia constituem praticamente metade da grade curricular, complementada pelas disciplinas profissionalizantes e específicas. Na grade curricular das Engenharias, as disciplinas básicas já exigem bastante estudo nos primeiros módulos do curso. Dessa forma, o prof. Marco Antônio de Oliveira recomenda o mínimo de 3 horas de estudos diariamente, mas adverte que o horário deve ser cumprido à risca pelo estudante de EAD.

“Primeiro ele deve fazer uma agenda de estudo e seguir a programação. Se eu trabalho no período matutino, devo organizar meu horário de estudo à noite”, aconselha. Esquecer o celular, as redes sociais e distrações em casa, nesse momento, é imprescindível para cumprir a meta estipulada para a noite de estudos!

Mas estudar cálculo sozinho não é difícil?

As disciplinas de cálculo são conhecidas por sua complexidade, mas na EAD o aluno não está estudando sozinho, muito pelo contrário. Há a possibilidade de se comunicar com os tutores virtualmente e até presencialmente para solucionar dúvidas. Além disso, quando se está no AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem (plataforma de EAD), o diferencial está na possibilidade de retomar a videoaula e assisti-la novamente.

José de Queiroz, estudante do quinto período da Engenharia Civil EAD Uniube

Para José André Soares de Queiroz, aluno do quinto período da Engenharia Civil EAD da Uniube, polo Uberaba, a ausência física do professor é suprida com o suporte oferecido pelos tutores das disciplinas por meio da Central de Mensagens. Aos 29 anos, e atualmente trabalhando como motorista, ele espera conseguir uma oportunidade em Engenharia assim que concluir o curso.

“Moro em Nova Ponte e venho para o polo de Uberaba para as aulas práticas e para o plantão de dúvidas. Para quem precisa conciliar trabalho e estudos, assim como eu, a melhor opção é a EAD, mas é prepare-se para estudar muito também”.

Os planos curriculares têm diferenças?

Como enfatiza Marco Antônio de Oliveira, há uma identidade entre ementas dos planos curriculares de Engenharia Civil presencial e EAD na Uniube, respeitando as particularidades de cada modalidade, sem deixar de fora nenhuma disciplina. No curso presencial, são 4.600 horas de aulas e nas Engenharias EAD são 5.300 horas de aulas, distribuídas em 10 semestres (etapas) e 20 módulos.

Enquanto no presencial o aluno cursa seis disciplinas ao longo do semestre, na EAD realiza, semestralmente, dois módulos de dez semanas, sendo cada um com três disciplinas. “A vantagem é que mesmo em um prazo menor você trabalha mais efetivamente em cima de três conteúdos, o que pode proporcionar melhor aprendizado”.

O que muda no diploma? 

 Até pouco tempo, muitas pessoas ainda tinham receio de possuir diploma de graduação a distância. Em um contexto em que relações, inclusive profissionais, vêm sendo pautadas cada vez mais pelas tecnologias, isso caiu por terra. Um profissional formado na EAD hoje é valorizado e reconhecido por habilidades desenvolvidas ao longo da formação, como autonomia, organização e determinação de estudar sozinho, mesmo com todo apoio educacional que recebe na modalidade.

E as avaliações?

Em termos de notas, na Engenharia EAD da Uniube há avaliação por meio da resolução de questões fechadas (ACQFs) e abertas (ACQAs), além da semana de formação geral, a quinta semana de cada módulo, com palestras virtuais de vários assuntos importantes para formação, cujo acompanhamento também é avaliado. E, no final de cada módulo, há uma prova presencial, totalizando duas provas presenciais por semestre.

Tem idade certa?

Quando os primeiros cursos de EAD foram lançados, de maneira geral, a faixa etária dos alunos ingressantes era 40 a 45 anos, ou seja, pessoas mais maduras que não contavam com a flexibilidade de horários exigida por um curso presencial. Atualmente, na Uniube, a faixa etária de entrada nos cursos EAD é de 24 anos. “As pessoas passaram a acreditar, mas também por uma questão de necessidade. O acesso à informação é a distância, seja pela televisão, celular ou internet, então por que não aprender a distância?”, acrescenta o professor.

Engenharia: porta de entrada para diversas empresas

O Brasil antes da Copa do Mundo e das Olimpíadas, com obras de infraestrutura a todo vapor, sem dúvidas, é diferente do Brasil da crise. Mesmo assim, as perspectivas de trabalho para os engenheiros civis são otimistas.

Com a recessão econômica e as grandes construtoras e empreiteiras sob investigação, os investimentos em obras públicas estagnaram. A boa notícia é que há oportunidades para engenheiros em diversos outros campos de atuação, como empresas do setor financeiro, de tecnologia, startups, telecomunicações, além da possibilidade de atuarem como professores.

“Isso porque o engenheiro não é só aquela pessoa que se formou para trabalhar em obras, pois sua capacidade de raciocínio lógico é cobiçada em diversos segmentos”, ressalta Marco Antônio de Oliveira. Segundo ele, a expectativa é que dentro de quatro a cinco anos a construção civil volte a pleno vapor, portanto, este é o momento certo para ingressar na Engenharia Civil.